36% dos portugueses que vão à farmácia têm um problema menor de saúde | Panorama Farmacêutico

Oferecimento: Ativa Logística

Inovadora, segura, próxima e de confiança. Essa é a definição das farmácias portuguesas, segundo Pedro Ferreira, diretor da Associação Nacional de Farmácias (ANF), entidade fundada há 40 anos e que tem se destacado por liderar o processo de implantação dos serviços farmacêuticos, em 1999.

“Criamos um banco de 2.800 farmácias filiadas, o que corresponde a cerca de 95% do total nacional, e temos como característica ser um modelo assistencial centrado nos serviços de saúde”, explica o executivo. A farmácia é o lugar em que 36% dos portugueses pensa quando tem um problema menor de saúde. Mais de 560 mil vacinas contra a gripe já foram aplicados nestes estabelecimentos. Uma peculiaridade é o termo de cooperação assinado entre médicos e farmacêuticos, em que se compartilha a informação do paciente, nos casos mais simples, como uma infecção do trato urinário.

De acordo com João Correia da Silva, ceo do Grupo HealthPorto, 60% dos farmacêuticos portugueses trabalham nas farmácias comunitárias. Tais espaços foram o primeiro lugar onde a população teve acesso a um computador. O executivo fez menção a dois programas nos quais a rede atua como parceiro na Troca da Seringa, que trabalha na prevenção de doenças para dependentes químicos; e o ValorMed, que consiste na criação de postos de coleta de medicamentos vencidos nas farmácias. Outra novidade é a aplicação clapp, que permite a partilha de conhecimento entre os colaboradores da Rede da Claro, que reúne 90 farmácias e 855 profissionais.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico