Entender os impactos da artrite reumatóide Guia da Farmácia

Farmacêutica americana Eli Lilly apresentou a pesquisa “A Artrite Reumatóide Importa”, mostrando como a doença interfere na rotina dos afetados. Acompanhamento dos resultados

Com o objetivo de conhecer os impactos reais da artrite reumatóide (AR) na vida dos pacientes e profissionais de saúde, a farmacêutica norte-americana Eli Lilly, foi criado o projeto “A Artrite Reumatóide Importa”. No Dia Mundial da Artrite Reumatóide, que afeta cerca de 2 milhões de brasileiros – é importante reforçar junto ao público, como os aspectos sensíveis relacionados com a doença crônica, podem interferir na vida dos pacientes e profissionais da saúde envolvidos com o tema.

Apresentada em setembro deste ano, durante o XXV Congresso internacional de Reumatologia, no Rio de Janeiro (RJ), a segunda fase da pesquisa contou com a participação de mais de 3.600 pessoas de sete países. Só no Brasil, foram mais de 1.900 pacientes e cerca de 400 profissionais de saúde. De acordo com dados obtidos sobre o impacto da artrite reumatóide no trabalho, 34% dos brasileiros com menos de 60 anos tiveram uma redução no progresso de suas carreiras, enquanto que 26% foram obrigados a deixar seus postos de trabalho. Foi observado, também, que os pacientes entre 40 e 59 anos são mais propensos a recorrer à aposentadoria perante o desafio de que a doença impõe para a corrida.

“Esta é a segunda pesquisa sobre a artrite reumatóide foi levado a cabo em todo o mundo e os resultados confirmam a importância de falar sobre este tema com os pacientes, profissionais de saúde e a população em geral”, explica a gerente médica de Imunologia da Eli Lilly, Lívia Fermín. “Os aspectos revelados apontam que existem barreiras emocionais dos pacientes, mesmo na hora de compartilhar com seus médicos as suas rotinas e vontades, portanto, depende de nós também, os profissionais de saúde, estimularmos um melhor intercâmbio de informações sobre o impacto da doença no paciente”, acrescenta.

Principais impactos

Embora os impactos sejam compreendidos os físicos, 60% dos pacientes acreditam que as pessoas não entendem os impactos reais da doença, principalmente em aspectos emocionais. Além disso, segundo o balanço, as relações mais afetados pela artrite reumatóide são entre cônjuges ou casais: 64% dos entrevistados afirmaram que enfrentam problemas na intimidade.

Em relação aos exercícios e trabalhos domésticos, dois de cada três pacientes com artrite reumatóide consideram que as tarefas difíceis de serem concluídas e em 56% dos pacientes sentem-se frustrados, ansiosos ou insatisfeitos quando não podem realizar ou completar atividades por causa da doença.

Quando perguntados sobre como eles gostariam de se sentir, mais da metade dos pacientes apresentaram aspirações modestas, apontando o desejo de permanecer ativo em suas atividades e que as pessoas em suas vidas compreender melhor os impactos físicos e emocionais causados pela artrite reumatóide.

Sobre a investigação

A Artrite Reumatóide Importa, foi uma pesquisa promovida por a farmacêutica Eli Lilly e realizada por KRC Research, com o objetivo de compreender a realidade enfrentada pelas pessoas afetadas pelo AR. O método utilizado foi a posta em marcha de um questionário on-line, que deve ser realizada a partir das experiências de pacientes diagnosticados com artrite reumatóide e profissionais de saúde. O estudo foi dividido em duas fases: a primeira, em 2017, ocorreu em países da Europa e do Canadá, captando mais de 6 mil respostas; e a segunda, entre os meses de janeiro e junho de 2018, contou com a participação de sete países: Brasil, Colômbia, Argentina, México, Arábia Saudita, Coreia do Sul e Taiwan. Entre estes, o Brasil obteve destaque no número de entrevistados, atingindo 1916 pacientes e 385 médicos e profissionais de saúde.

Entenda a artrite reumatóideA artrite reumatóide (AR) é uma doença auto-imune, inflamatória, sistêmica e crônica. A incidência aumenta com a idade e o pico mais alto é entre os 30 e os 50 anos. O sexo feminino é o mais afectado, cerca de três vezes em relação ao masculino. Sem tratamento, o 20 e o 30% dos afetados pela doença podem estar permanentemente incapazes de realizar suas atividades depois de três anos do diagnóstico. Estima-Se que a doença atinja cerca de 2 milhões de pessoas no Brasil.

Fonte: Eli Lilly
Foto/Imagem: Shutterstock

Compartilhar: